terça-feira, 22 de julho de 2008

Relíquias


Agora já perdida toda utilidade O velho telefone Já não serve mais Para contar segredos, alegrias, amores, medos. Também não tem memória E serve apenas Como lembrança de glórias Que ninguém sabe quais são. É uma peça de museu: Feito você e eu- Como o amor que se perdeu- Tão-somente um objeto do passado A quem se dá um olhar Distante e desinteressado.

O encontro da Imagem com a Palavra.

Minha foto
A fotografia interagindo com a poesia...num encontro triunfal.