quarta-feira, 28 de maio de 2008

SEM RETORNO (Ou A vida não é vasilhame)



Há entre nós a sombra, a inevitável sombra de um tempo que não voltou. Como um cálice partido a magia que havia, agora recomposta, mostra os pedaços e tudo parece sem o mesmo brilho sem a mesma cor até mesmo o amor. Pode-se dizer, como recurso, que, afinal, o que vale é o líquido. Pode ser... Mas, infelizmente, mesmo o sabor, pode crer, foi perdido ou é mesmo a língua que não sente mais o sabor antigo. Nem o maio é o mesmo. Nem eu, nem você, nem o amor, nem o prazer. E, no entanto, era tudo que queria ter.

quarta-feira, 14 de maio de 2008

quinta-feira, 1 de maio de 2008

O Princípio do Caos




Tentei enfeitar teu corpo de rosas
E, no entanto, as estrelas

Pareciam te cercar
E o sol no teu umbigo a bailar
Me prometiam que o
Céu ia dançar
A dança sobrenatural do amor.
O teu perfume, os teus cabelos .
Se misturaram com o ar
E a linha do horizonte.
Nem sabia mais distinguir.
Vales de montes, saliva de chuva, seios de luas.
Tudo, tudo Era somente a carne tua.
E uma explosão de mundos e desejos .
Para fugir dos teus perigos
.
Me afundei
desatento na confusão que se fez .
De todos os elementos materiais .
E nunca mais tive abrigo nem paz .
Sempre querendo mais…


O encontro da Imagem com a Palavra.

Minha foto
A fotografia interagindo com a poesia...num encontro triunfal.