terça-feira, 29 de maio de 2007

O FUTURO NA GARGANTA




Não há sol
Nem garganta
Nem futuro
De toda sombra, do escuro
Só emerge o som...
Da música é que há de vir
As palavras, o perdão, o amor...
Pode ser que não seja
Belo como a flor
Pode ser que corte
Como a faca ou a navalha.
O importante é que valha
Como valeu o nosso amor.
O importante é que seja cor de rosa,
Verde, amarelo, quem sabe azul
E brote, como o Cruzeiro do Sul,
Fazendo luz
Sendo o berço da alegria, da beleza e do prazer
E com a energia e a vida
Que só o Garganta do Sol no Futuro
Pode nos trazer.
A garganta canta
O sol
Que, no futuro, há de brilhar
Como só os videntes podem ver.

Experiência Solar












Ainda há sombras

No sol da garganta
Mesmo quando canta
O futuro ainda não chegou...
Mamãe eu não me engano!
O cotidiano
É que nos enganou
Abrindo este abismo
No qual estamos
No qual estou
De braços abertos
Como um Cristo que não se perdoou.
Os reflexos podem ser as verdades
Como as verdades podem ser as ilusões.
Brincamos de cabra cega
Enquanto eles ganham milhões
E afundam o Brasil
Como se fosse um Titanic de brinquedo,
Um rap, um rapto, um camaleão...
Não! Nem respirar, nem existir, nem andar
Meu sonho é voar
Na música, na poesia, na experiência,
Na fumaça que nos fantasia.
A minha demência
É ser real
Soar como se o complexo
Fosse natural,
Como se a vida fosse a música.
É consertar o mundo
Nem que seja o digital
E ser apenas um descobridor
Da vida, do gozo, do amor.

terça-feira, 15 de maio de 2007

Anjo sem face




Em dias assim frios e nebulosos
Sou um santo
Embebido em vinho e pão
Só penso na carne
Em gozos, gemidos, prazer...
Coisas que ardem.
Contra os que não vêem
Minhas asas ou meu halo
Só posso dizer que me sinto leve
E, com álcool, vôo..
(Até me sinto perto de Deus)
Pena que a vida seja breve,
Breve, tão breve....
E haja esta distância do corpo teu...

domingo, 6 de maio de 2007

EROTISMO DO CORPO



Teu corpo, meu bem, é verde

E é amarelo, roxo, vermelho.

Teu corpo é o espelho

De todas as cores.

Teu corpo tem só a cor dos amores.

Teu corpo, meu bem, é alvinegro,

Mas também verde e amarelo.

Teu corpo é apenas belo

Um caleidoscópio multi-facetado.

Teu corpo é um camaleão encantado.

E uma fogueira que queima o ser amado.


O encontro da Imagem com a Palavra.

Minha foto
A fotografia interagindo com a poesia...num encontro triunfal.